Seminário discute incentivo à produção

A ideia de transformar o polo gesseiro do Araripe, no Sertão do Estado, em um sistema produtivo aliado do desenvolvimento sustentável está cada vez mais perto de sair da teoria. Durante o II Seminário Internacional “Além da Sustentabilidade”, realizado entre os dias 17 e 21 deste mês, em Araripina, empresários e especialistas do setor discutiram a implantação da “plataforma berço ao berço”, que prevê o total reaproveitamento dos resíduos na produção. Nesta sexta-feira(22), especialistas e representantes do Sindicato das Indústrias do Gesso (Sindusgesso) e do Governo do Estado se reúnem para avaliar a instalação de usinas solares na região, o que ajudará na conclusão do ciclo sustentável, que deve começar a virar realidade no ano que vem.

Durante o evento, representantes do Sindusgesso e o químico alemão Michael Braungart visitaram 15 empresas da região para avaliar o nível do processo tecnológico e sustentável das indústrias pernambucanas. “Não estamos tão mal quanto outros países, mas constatamos que temos muitas oportunidades. O gesso é um produto voltado para a economia circular, é possível que os resíduos deixem de ser gerados. Queremos transformar o polo gesseiro do Araripe no primeiro do Brasil a ter esse tipo de economia”, explicou o vice-presidente do Sindusgesso e da Federação das Indústrias do Estado de Pernambuco (Fiepe), Josias Inojosa.

Segundo ele, a “plataforma berço ao berço” em polos gesseiros é realidade em muitos países, como a Holanda. O primeiro passo para implementá-lo será a elaboração de um plano integrado e coletivo de resíduos sólidos para o setor. “A empresa que irá produzir esse projeto já está sendo licitada e deverá ser definida no começo de dezembro. Vamos formar uma comissão junto aos empresários e, já em 2014, estabelecer metas e ações. Pretendemos começar a desenvolver os produtos nesse modelo nos próximos anos”, afirmou. O uso de energia limpa e renovável é uma das demandas necessárias para a conclusão do projeto. Na opinião da promotora do Ministério Público de Pernambuco (MPPE) em Petrolina, Ana Rúbia Torres de Carvalho, é papel do Estado oferecer essa infraestrutura.

Nesta sexta-feira (22), os secretários de Recursos Hídricos e Energéticos de Pernambuco, José Almir Cirilo, e de Desenvolvimento Econômico, Márcio Stefanni Monteiro, estão com reunião marcada com o Sindusgesso e com Michael Braungart para debater o assunto. “Atualmente, os fornos das indústrias de gesso são movidos à lenha, que é retirada ilegalmente da caatinga. O Araripe tem potencial para energia solar. Precisamos disso para cumprir a política de resíduos na sua integralidade”, argumentou.

Fonte: Folhape.com.br

http://www.folhape.com.br/cms/opencms/folhape/pt/economia/noticias/arqs/2013/11/0127.html

Posted in:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *